domingo, 28 de agosto de 2016

"..quase ainda noite,nessa aurora gris..."


AURORA GRIS

Ainda é quente a noite e não dormi
Olho lá fora e vejo uma Aurora Gris
Quase chove e ainda não há sol
Não sei se o que sinto é ser feliz
Ou não sei se sonho ou não dormi
O que dá no mesmo se me invento
Porque a verdade é também mentir
Nesse dia quase ainda noite nessa Aurora Gris
Neo me importa o tamanho nem o todo
Tenho aqui tudo que sempre ou nunca quis

Eunice Mendes
Santos/SP

CIRCO PICADILLY THOMAS PRYTERCH

VENTO DA NOITE

Vento da noite:
Vai desfolhando as rosas
Em suave perfume

Eunice Mendes
Santos/SP

Ilustração : Thomas Prytherch

Eunice Mendes:
Formada em Jornalismo, tem trabalhos nas áreas de Fotografia, Artes
Plásticas e Artesanato de Reciclagem. Edita, com Walmor Colmenero, a revista artesanal de divulgação literária POETIZANDO, desde 2001. Edita também a folha poética A POETISA e o fanzine ÁRVORE AZUL. Tem poemas publicados em jornais, revistas,
fanzines, blogues e no site: www.gargantadaserpente.com
Integra o grupo poético ARTESANIA.
Livros: Flores e Frutos (2002), Sino dos Ventos (2002), Lua na Janela
(2002), Sonhares (2003), Cerimônia das Flores (2003), Aurora Gris (2003), Nuvens de Sol (2003), Espaços do Vazio (2003), todos de poesia.
http://revistapoetizando2.blogspot.com.br/
http://www.recantodasletras.com.br/entrevistas/916407

terça-feira, 26 de julho de 2016

NOITE (4)

"..em noites claras de lua.."

ABIODUN OLAKU - Noite, vista parcial - Óleo sobre tela - 16 x 20 - 2002

Das mentiras que são ditas
em noites claras de lua,
eis uma das mais bonitas:
"Eternamente sou tua"

Miguel Russowsky

Ilustração: Abiodun Olaku


QUEM FOI MIGUEL RUSSOWSKY?
(1923 – 2009)

Filemon F. Martins
in:
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=10723&cat=Ensaios

Sábado, dia 03 de outubro de 2009 faleceu em Joaçaba, SC, o poeta Miguel Russowsky. Essa triste notícia me foi transmitida no dia 5/10/2009, via e-mail, por Angela Togeiro, poetisa e prosadora residente em Belo Horizonte-MG.

Mas, afinal, quem foi Miguel Kopstein Russowsky?
Nosso ilustre Dr. Miguel Russowsky nasceu a 21/06/1923 em Santa Maria, Rio Grande do Sul, filho de Jacob Russowsky e Eva Russowsky. Casou-se com Vitória T. Russowsky, com quem teve quatro filhos: Leila Brunoni, June Braganholo, Miguel Igor Russowsky e Silvia Herter.

Estudou na Escola São José, em Jaguari e no Colégio Estadual Santa Maria, entre 1933 e 1940, tendo se formado em medicina em 1946, na URGS, em Porto Alegre.Transferiu-se, posteriormente, para Joaçaba-SC, onde se tornou médico-empresário. Fundador e Diretor do Hospital São Miguel, de Joaçaba-SC, um dos maiores da região.

Exerceu com denodo a medicina livre, atuando como clínico e cirurgia geral, até 2006. Mas, Miguel não era só médico, foi Enxadrista, com passagens nos jogos abertos de Santa Catarina, Empresário e proprietário de Hotéis, Cinemas e, sobretudo, um poeta-literato brilhante.

Um campeão em concursos nacionais e internacionais de poesias e trovas. Foi assim que conquistou uma legião de amigos e admiradores pelo Brasil e exterior. Sonetista por excelência e trovador dos mais fluentes, publicou vários livros, entre outros: CÉU D’ESTRELAS, O JULGAMENTO DE TIRADENTES, O SEGREDO DO PÂNTANO, POESIAS MELANCÓLICAS E OUTRAS POESIAS.

Nove (9) vezes Primeiro Prêmio em Sonetos, em concursos nacionais, e várias vezes em outras colocações. Onze (11) Primeiros Prêmios em concursos nacionais de poesias. Ocupou a Cadeira nº 28 da Academia Sul-Brasileira de Letras. Membro da UBT, da Casa do Poeta “Lampião de Gás”, do Movimento Poético, em São Paulo e outras Entidades Lítero-culturais, além de colaborador de jornais, revistas, como o FANAL, ESTRO, A FIGUEIRA, entre outros alternativos.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

NOITE(3)

"...o dia inicial inteiro e limpo; onde emergimos da noite e do silêncio.."

Handade-casal-moderno-pintura-a-óleo-sobre-tela-dançarino-da-lua-noite-cores-escuras-arte-pinturas.jpg_640x640

UNIDADE

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Sophia de Mello Breyner Andresen


Sophia de Mello Breyner Andresen foi uma das mais importantes poetisas portuguesas do século XX. Foi a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999.

25 DE ABRIL

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen,
in 'O Nome das Coisas'

Saiba mais emhttp://www.escritas.org/pt/l/sophia-de-mello-breyner-andresen

terça-feira, 21 de junho de 2016

A NOITE ME FAZ BEM


19570582_iDkFB

Vez em quando escrevo à noite e me faz bem. Ideias frescas e imaginação solta.
Queria por alguns instantes colocar seu par de olhos sobre a mesa e emprestar-lhe os meus.

Desdenho a desfaçatez.

Já rasguei a multa
Furei o bloqueio
Saltei do viaduto
Fui informal, mas, solene.

Já voltei pra mim.
Porque essa sombra que dançava à sombra de meu corpo
Não era a minha.
Devia de ser de alguém que há muito tempo partiu.
Queria por alguns instantes, colocar seu par de olhos.

A noite me faz bem, vez em quando.


Michele Viviane Vasconcelos
https://vivianevasconcelosblog.wordpress.com/

sexta-feira, 3 de junho de 2016

NOITE(2)

"Há quem diga que todas as noites são de sonhos." 












Há quem diga que todas as noites são de sonhos. 
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância. 
O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado.

William Shakespeare
(Sonho de uma Noite de Verão)

Ilustração: Ivan Aivazovsky

terça-feira, 26 de abril de 2016

NOITE


".. a noite/com seus mistérios partilhados"

No post de hoje e nos seguintes, traremos textos e poemas com o tema "Noite", iniciando com um poema de Eliane Alcântara, da cidade de Lajinha, Minas Gerais.












DOR DE POETA

O que me dói não faz passeata
No coração daquele que amo
O que me dói, dói no fundo
Aonde só entra a noite
Com seus mistérios partilhados

O que me dói
É a verdade de amar.
Por isso sou escuro silêncio
Mesmo quando há tanta claridade
A despencar do meu olhar

Eliane Alcântara

ELIANE POR ELIANE :
"Gosto de animais, moro em uma cidade pequena no estado de Minas Gerais [Lajinha], cercada de montanhas, pássaros, muito verde .Amo o silêncio, sou distraída demais, venho aprendendo a cuidar de flores, adoro fotografias de paisagens."
in: http://www.poetasdelmundo.com/detalle-poetas.php?id=3493

Ilustração: Autor Desconhecido


domingo, 27 de março de 2016